Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Setembro, 2013
Definimo-nos culturalmente como homo faber, homem artesão, fabricante, aquele que se realiza na própria ação. E distanciamos da nossa própria vida o horizonte do homo festivus, isto é, o que é capaz de celebrar, aquele que conduz a criação à sua plenitude.
A alegria nasce do acolhimento. Nasce quando aceitamos construir a vida numa cultura de hospitalidade. Há um filme de Ingmar Bergman em que uma personagem é uma rapariga anoréxica - e sabemos como a anorexia é uma forma de desistir da própria vida, de desinvestir afetivamente. A rapariga vai falar com um médico e ele diz-lhe isto, que também vale para todos nós: “Olha há só um remédio para ti, só vejo um caminho: em cada dia deixa-te tocar por alguém ou por alguma coisa”. A alegria é esta hospitalidade.
José Tolentino Mendonça
"Pai Tenho medo de morrer depois da morte Tenho medo de morrer antes da vida."


Daniel Faria

Estávamos distraídos, demasiado ocupados na felicidade para lhe fazermos o retrato.

Somos todos uns sentimentais e por isso demoramos no que nos dói.

Temos o choro fácil que dá ou não dá em lágrimas, guardamos as dores cheias de pormenor enquanto as felicidades ficam por ali, confusas, com algumas caras, alguns sons, incertas a vagas.

Lembramos os sapatos que calçávamos quando alguém morreu, a hora da notícia, o programa que passava nesse instante e até as vergonhas que pensámos.

Folheemos as páginas do riso e pouco encontraremos, algumas frases, momentos caricatos, elementos de uma paisagem.

Pouco e mal contado, estávamos distraídos, demasiado ocupados na felicidade para lhe fazermos o retrato.

Somos tolos e sentimentais, temos arcas cheias de mágoas que não esquecemos e que abrimos a todo o momento a ver se ainda nos doem, e doem sempre.

Descuramos o arquivo do bem que apesar de tudo nos vai acontecendo, somos tolos de lágrimas.


NUNO CAMARNEIRO, Debaixo de algum céu, 2013 (Narrador).
Morro do que há no mundo:
do que vi, do que ouvi.
Morro do que vivi.
Morro comigo, apenas:
com lembranças amadas,
porém desesperadas.
Morro cheia de assombro
por não sentir em mim
nem princípio nem fim.
Morro: e a circunferência
fica, em redor, fechada.
Dentro sou tudo e nada.


Cecília Meireles

"...companhia amiga e fiel que não se cansa de mim."

Oração da Manhã - 27 de Setembro

«o heroísmo demonstra o que um homem pode fazer.
a santidade demonstra o que deus pode fazer»
Card. Jean Daniélou




«O heroísmo demonstra o que um homem pode fazer.
A santidade demonstra o que Deus pode fazer»

Esta frase de um grande teólogo do nosso tempo
reconduz o meu coração ao centro da minha vocação.

O heroísmo é possível e muito mais comum do que podemos imaginar.
Conheço gente que vive heroicamente a sua condição,
sem alarde, nem pretensão, procurando a verdade
com tenacidade e determinação.

A santidade é possível e, também ela,
bem mais comum do que se pode julgar.
Mas para percorrer esta estrada, não bastam as nossas forças.
Sem a Tua Graça, Senhor, soçobramos, “morremos na praia”.

Ser santo é ser Teu, é ser como Tu, é ser Tu.
Não me basta o desejo, nem me chega o juízo recto.
Preciso de mais, de um mais que só Tu me podes dar.

Preciso de Ti, dessa Graça que é a Tua Presença,
dessa companhia amiga e fiel que não se cansa de mim.
Preciso dessa claridade que…

#'Tamo junto! #Anjinho da guarda.

"Não se pode chegar à alvorada a não ser pelo caminho da noite."

Gibran , Khalil
"Procurei como filósofo compreender o mundo.  Estranhamente, sinto que o mundo tem um lado incompreensível.  O mundo talvez exista não para ser compreendido,  mas para ser amado!" 
P. Alfredo Dinis sj (1952-2013)

# 'Tamo Junto! #Vê-me os meus pés.

"Entre todas as virtudes somente a humildade se ignora a si mesma:  como traz os olhos baixos, e fitos no abismo do seu nada,  não reflecte sobre o seu conhecimento,  porque o verdadeiro humilde não presume que o seja."
Padre Manuel Bernardes
Num deserto sem água
Numa noite sem lua
Num país sem nome
Ou numa terra nua


Por maior que seja o desespero
Nenhuma ausência é mais funda do que a tua.



Sophia de Mello Breyner Andresen

# 'Tamo Junto!

«O que nos salva é dar um passo. E outro ainda».
Antoine de Saint-Exupéry 

# ' Tamo junto!

Mas tu disseste-me: também aqui se encontram os deuses e imperam Grande é a sua medida, mas o homem gosta de medir a palmo.
...
Friedrich Hölderlin - Elegias Tradução Maria Teresa Dias Furtado Assírio& Alvim

Bem-aventuranças do peregrino

Bem-aventurado és, peregrino, se descobres que o caminho te abre os olhos àquilo que não se vê.
Bem-aventurado és, peregrino, se o que te preocupa não é só chegar, mas chegar com os outros.
Bem-aventurado és, peregrino, se, ao contemplares o caminho, o descobres cheio de nomes e de dias que começam.
Bem-aventurado és, peregrino, se descobres que o caminho não acaba quando chegas a casa.
Bem-aventurado és, peregrino, se descobres que um passo atrás, para ajudar alguém, vale mais do que 100 passos em frente, sem olhar aquele que caminha a teu lado.
Bem-aventurado és, peregrino, se te faltarem palavras para agradecer tudo o que descobres em cada curva do caminho.
Bem-aventurado és, peregrino, se procuras a verdade e fazes do teu caminho uma vida e da tua vida um caminho à procura de Quem é o Caminho, a Verdade e a Vida.
Bem-aventurado és, peregrino, se ofereces a ti mesmo, sem pressas, um tempo para te encontrares contigo.
Bem-aventurado és, peregrino, se descobres que o caminho tem muito de sil…

A lua sorri

# 'Tamo Junto # Saudade

"Mesmo que a rota da minha vida me conduza a uma estrela, nem por isso fui dispensado de percorrer os caminhos do mundo."

José Saramago

Presos ao passado

José Luís Nunes Martins Ionline 2013-09-14

A existência humana implica que compreendamos que não fomos criados para qualquer espécie de imutabilidade, mas antes para uma incessante criação de nós mesmos São muitos os que hoje sofrem as dores do que lhes aconteceu ontem. Angustiam-se porque visitam e revisitam tantas vezes os mesmos tempos e espaços, sentem e ressentem a dor dos mesmos espinhos cravando-se-lhes nos pés... vivem numa espécie de noite eterna onde parece não haver vontade de manhã... mas a manhã é agora. Julgam que estarão para sempre condenados a carregar o peso do que passou, desconhecem que o seu hoje está em aberto e que pode, eventualmente, servir para se redimirem, para se ultrapassarem... para voarem bem alto. Afinal, nenhum de nós é o que já foi. Os sucessos e fracassos de cada dia pertencem mais a esse dia do que a quem os protagonizou. O Homem existe enquanto lançado no tempo, segue a uma velocidade constante em direção a todos os horizontes possíveis, ao futur…
"Depois de caminhar tantas horas sem encontrar nem uma sombra de árvore, nem uma raiz de nada, ouve-se o ladrar dos cachorros.

A gente às vezes chegava a pensar, no meio deste caminho sem margens, que nada existiria depois; que não se poderia encontrar nada, ao final desta planura rajada de gretas e de arroios secos. Mas sim, existe algo. Há um povoado. Ouve-se o ladrar dos cachorros e sente-se no ar o cheiro da fumaça, e se saboreia esse perfume das pessoas como se fora uma esperança."



A Planície em Chamas

Juan Rulfo

Que ninguém diga que não é possível fechar os olhos e regressar. Aconteceu-me hoje ;-)

A minha meta será sempre a próxima bomba de gasolina.

O paradoxo do outro

Há uma grande diferença entre viver com alguém e viver em alguém. Pessoas há em quem somos capazes de viver sem que consigamos viver com elas. E há os casos inversos. Só uma extrema pureza do amor e da amizade está em condições de juntar as duas coisas.
O homem só pode viver com os que se lhe assemelham. E ao mesmo tempo não pode viver com eles, porque não suporta que alguém se lhe assemelhe eternamente.
Quando duas pessoas estão inteiramente satisfeitas uma com a outra, podemos ter quase sempre a certeza de que estão ambas enganadas.

Johann Wolfgang von Goethe, in 'Máximas e Reflexões'

# 'Tamo Junto

Da Joaninha Alves

Ser peregrino
É acreditar na realização dos sonhos...
Encontrar os limites...e supera-los...
Dar um passo de cada vez...
Rir quando alguém diz: é ali...
Ser profundo conhecedor de bolhas...
Valorizar o que se tem...
Ter o essencial e ser feliz com isso!
Adorar os amigos! Principalmente se forem peregrinos...
Amar as estrelas...
Sair mesmo que chova torrencialmente...
Ser capaz de compreender quando alguém diz: não posso...
Dormir em qualquer lugar, e achar ótimo...
Comer o que está na mesa sem reclamar...
Ver a natureza com outros olhos..
Ter centenas de fotos, e não se cansar de olhar para elas.
Encher os olhos de lágrimas quando ouve falar do Caminho.
Viver cada dia com alegria e prazer.
Ter a certeza que o pior sempre passa...
Acreditar que depois de uma montanha...tem outra montanha...
Ter uma grande capacidade de aprender ..... improvisar...e inventar....
Não se importar de tomar banho frio.. ou até gelado...
Lavar a cabeça com sabonete...
Adorar um Rioja., tortilhas e bocadillos.
Mesmo morta de cansaço…

Medo

Naquilo que não fui vim encontrar-me E sempre que te vi recomecei


Daniel Faria Poesia Quasi Edições, 2003