Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Junho, 2017
Todas as minhas fontes vêm de ti
As nascentes
E amo-te com a constância do moribundo que respira
Já sem saber de que lado o visita a morte


Procuro a ligação entre ti e a luz muito miudinha depois dos temporais
Entre a luz e os estilhaços nas ruas bombardeadas
Desconheço o colar onde unes tudo


Procuro entender como é que moldas
Os meus pés ao equilíbrio que os desloca no chão
Sei que és tu que me levantas
Que remendas o meu corpo cada dia


Em ti encontro a pulsação
Que rebenta - uma artéria como nunca
Tinha jorrado. Cratera onde durmo
Recluso, árvore à chuva
Em dificuldade extrema
De respiração


Ponho a cabeça entre os ramos, lanço os braços para fora
Como um pássaro entre um bando
De disparos


Tu moves as agulhas, tu unes de novo
As minhas asas à curva do céu












Daniel Faria

Coisas que têm quereres

Duas luas no céu na palma da mão

Duas luas no céu e duas canções Dois olhares que se cruzam a procurar Um sol um luar E todos os lugares onde a luz se pode abraçar
Doze luas em ti e sete marés Sete barcos navegam a procurar Um porto uma praia Talvez no fim do mar onde alguém nos venha esperar
Vem comigo no rasto de sol Eu vou contigo Vem comigo do outro lado das muralhas Eu vou contigo
Duas luas no céu na palma da mão Dois olhares que se entregam até ao fim Do corpo e da alma Em todos os lugares onde o mundo me fala de ti
À tua volta há luz de sete luares Sete barcos navegam para encontrar Um fogo um calor Talvez no fim de tudo haja força pra recomeçar Vem comigo no rasto de sol Eu vou contigo Vem comigo do outro lado das muralhas Eu vou contigo
Duas luas no céu e duas canções Dois olhares que se cruzam a procurar Um sol um luar E todos os lugares onde a luz se pode tocar
Vem comigo no rasto de sol Eu vou contigo Vem comigo do outro lado das muralhas Eu vou contigo


Coisas que têm quereres

"Esqueces que às vezes,

quando falha o chão, o salto é sem rede e tens de abrir as mãos. 


“Tivemos partes piores, alturas tristes, deprimidas e mal escritas. Folhas rasgadas e deitadas para o lixo, umas a seguir às outras. Mas também tivemos momentos altos e emocionantes, de palavras bem escolhidas e aplaudidas. E vezes em que ficámos sem palavras. E vezes em que as inventámos, porque não nos chegavam as que tínhamos. Porque o que existe não é suficiente, nem nunca vai ser. É por isso que nós ainda somos nós. É por isso que o que vemos, o que temos e o que sabemos não é uma reflexão do que somos. Porque não chega.”
Rita Abecasis

Porque sim

Quando olho para mim não me percebo.
Tenho tanto a mania de sentir
Que me extravio às vezes ao sair
Das próprias sensações que eu recebo.
O ar que respiro, este licor que bebo
Pertencem ao meu modo de existir,
E eu nunca sei como hei-de concluir
As sensações que a meu pesar concebo.
Nem nunca, propriamente, reparei
Se na verdade sinto o que sinto. Eu
Serei tal qual pareço em mim? serei
Tal qual me julgo verdadeiramente?
Mesmo ante às sensações sou um pouco ateu,
Nem sei bem se sou eu quem em mim sente.



Fernando Pessoa - Álvaro de Campos
http://derrotarmontanhas.blogspot.pt/2017/06/o-fascinio-da-beleza.html
"A beleza salvará o mundo..." [F. Dostoievski]
"O estatuto primordial da beleza reside no dom desinteressado e no ato de amor. O gesto de amor é sempre belo. Aqui se funda o princípio da beleza de Deus: o dom supremo da sua vida por nós. Um dom de amor é o esplendor do fundamento que nos faz vibrar e nos seduz.  É necessário lutar com a beleza de Deus; ela não é uma graça barata, vulgar, mas de elevado preço, preciosa. Pois não basta olhar: diversos são os modos de olhar; não basta tocar: muitas são as maneiras de tocar. (...) Eis a tarefa que nos espera: reanimar o entorpecimento do gosto de Deus, que aflige os nossos sentidos espirituais. 

A vida não avança por investidas da vontade, mas por atracção. Sou cristão por uma atracção: «Quando for erguido da terra, atrairei todos a mim» (Jo 12,32) A vida não avança por imposições, mas por seduções. E a paixão, a atracção, a sedução nascem de uma beleza…

Coisas que têm quereres

Por vezes a palavra saudade não chega para dizer a saudade que vem de repente. É das  mais cruéis, mas também das mais doces.
Tenho saudades ti, Moçambique!
Diz a mãe: a vida faz-se como uma corda. É preciso trançá-la até não distinguirmos os fios dos dedos.
Mulheres de Cinza Mia Couto
Obrigado, dizer obrigado. Pode ser a palavra do dia. A palavra "obrigado" quer dizer: ligado a, obligatus, ficar ligado a quem nos faz bem. É fazer bem, reconhecendo o bem. Não é ser obrigado no sentido de ser constrangido a alguma coisa. Nós ficamos obrigados, ligados pelo bem que recebemos e fazemos. 
Pe Vasco Pinto de Magalhães Não há caminhos, há soluções

Coisas que têm quereres

And when I've come to the places i'm going I will know your ways

Hoje de manhã no café vi duas senhoras de idade profética a darem um abraço gigante, um amasso cheio de juventude.  As imagens de pessoas mais velhas ou de crianças pequenas tocam-nos sempre, fiquei a pensar. É mais fácil fazer bonito nos extremos. Esta meia idade embaraço-nos as emoções.  Já sabemos o que é certo mas nem sempre praticamos. Uma das coisas que melhor fiz, neste intervalo grande de idade, foi permanecer nas amizades. Não como quem busca consolo, mas como quem encontra paz. Falo todos os dias às minhas filhas sobre a importância dos amigos. A família é o núcleo de acolhimento, mas a malta sabe a carga traumática que às vezes encerra. Os amigos só nos traumatizam quando não o são. Sendo. São no sempre. E não, não tem a ver com número, tem a ver com a qualidade humana. E o princípio é simples só se recebe na medida do que se dá. Não se poupem.
Isabel Saldanha

Coisas que têm quereres

Das favoritas, desde sempre





Shimbalaiê, quando vejo o sol beijando o mar Shimbalaiê, toda vez que ele vai repousar
Natureza, deusa do viver A beleza pura do nascer Uma flor brilhando a luz do sol Pescador entre o mar e o anzol
Pensamento tão livre quanto o céu Imagine um barco de papel Indo embora pra não mais voltar Tendo como guia Iemanjá
Shimbalaiê, quando vejo o sol beijando o mar Shimbalaiê, toda vez que ele vai repousar
Quanto tempo leva pra aprender Que uma flor tem vida ao nascer Essa flor brilhando á luz do sol Pescador entre o mar e o anzol
Shimbalaiê, quando vejo o sol beijando o mar Shimbalaiê, toda vez que ele vai repousar
Ser capitã desse mundo Poder rodar sem fronteiras Viver um ano em segundos Não achar sonhos besteira Me encantar com um livro Que fale sobre a vaidade Quando mentir for preciso Poder falar a verdade
Shimbalaiê, quando vejo o sol beijando o mar Shimbalaiê, toda vez que ele vai repousar