Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Maio, 2016
Há na vida momentos de puro encanto.
Há lugares que um dia roubamos do mapa, guardamos em nós e visitamos sempre que a saudade viaja no nosso caminho.

Caminho da manhã

Vais pela estrada que é de terra amarela e quase sem nenhuma sombra. As cigarras cantarão o silêncio de bronze. À tua direita irá primeiro um muro caiado que desenha a curva da estrada. Depois encontrarás as figueiras transparentes e enroladas; mas os seus ramos não dão nenhuma sombra. E assim irás sempre em frente com a pesada mão do Sol pousada nos teus ombros, mas conduzida por uma luz levíssima e fresca. Até chegares às muralhas antigas da cidade que estão em ruínas. Passa debaixo da porta e vai pelas pequenas ruas estreitas, direitas e brancas, até encontrares em frente do mar uma grande praça quadrada e clara que tem no centro uma estátua. Segue entre as casas e o mar até ao mercado que fica depois de uma alta parede amarela. Aí deves parar e olhar um instante para o largo pois ali o visível se vê até ao fim. E olha bem o branco, o puro branco, o branco da cal onde a luz cai a direito. Também ali entre a cidade e a água não encontrarás nenhuma sombra; abriga-te por isso no sopr…
Nenhuma felicidade é previsível – e se há algo verdadeiramente alegre na felicidade é essa constante imprevisibilidade, essa sensação de porta a abrir sem saber o que está por trás.

A vida vale quase só pelas portas por abrir que não sabemos o que escondem.

_________________
in "Prometo falhar"

Pedro Chagas Freitas
"True religion is not trying to make human beings spiritual. We're already spiritual beings. Great religion is trying to make human beings human. . . . The most courageous thing we will ever do is to bear humbly the full mystery of our own humanity and divinity—operating as one."

Richard Rohr on being fully human
https://cac.org/fully-human-2016-05-16/

Abismo

Porque pertenço à raça daqueles que mergulham de olhos abertos
E conhecem o abismo pedra a pedra, anémona a anémona, flor a flor.

Sophia de Mello Breyner Andresen

Olha pra trás

Marta Arrais (11-05-2016)
http://www.imissio.net/v2/cronicas/olha-pra-tras:4441


Quem não olha para trás não sabe de onde veio.

Quem não olha para trás partiu a bússola e rasgou os mapas dos países por onde foi gente.

Quem não olha para trás não sabe que o caminho que se faz hoje rima sempre com o que já se fez.

Olha para trás. E repara. Não lamentes nem te percas mas repara. Repara nos dias que se beijaram uns a seguir aos outros, com medo que a noite lhes roubasse a aventura e a alegria. Repara nas feridas que secaram com o sol da esperança que lhes deste. Repara nas mãos que nunca deixaram as tuas e nas que se separaram de ti.

Olha para trás. Devagar. Como quem espreita o que é ou já foi seu. Não te demores mas repara. Lê os lábios do teu caminho e todas as palavras que precisas para te dar alento. As boas e as de pedra. As doces e as de sal.

Olha para trás para te lembrares do que te trouxe e do que trouxeste até aqui. Do caminho em que te tornaste. Para cada um de nós há apenas um caminh…
Quantas coisas deixaste atrás de ti nas dores, alegrias, no imenso mundo que perdeste e foi o teu. E tudo isso para seres hoje a pessoa que és, ou seja para seres em vida isso mesmo que passou. E não perguntes se valeu a pena, porque tudo vale a vida no nada que ela vale.




Vergílio Ferreira

Um dia hão-de brilhar.

Respeita sempre a destruição das mulheres
e dos homens que amaram ou ao menos tentaram amar
a vida e esta queimou-os ou quebrou-lhes os ossos da cara,
as entranhas e as veias, o fígado e o bom coração,
respeita os consagrados e os mais humildes afundamentos dos seres humanos.

Respeita os que se suicidaram.

Respeita os que se atiraram aos oceanos.

Não fales mal deles, peço-te, imploro de joelhos.

Ama-me essas pessoas, essa multidão, esse rio amarelo
da História, de todos quantos perderam tão injustamente,
ou tão justamente,
dá no mesmo.

Pessoas que aceleraram numa curva.

Pessoas que escondiam garrafas nos cantos da casa.

Pessoas que choravam nos parques dos subúrbios das cidades.

Pessoas que se envenenavam com pastilhas, com álcool,
com insónias terríveis, com vinte horas de cama por dia.

Tentaram, mas não conseguiram.

Pessoas a quem sobravam três quartos do frigorífico, dos pequenos.

Pessoas sem ter com quem falar semanas inteiras.

Pessoas que não comiam, para não comerem sozinhas.

São belos na mesma, jur…
Cuando vivimos tanto que hay que pagar exceso
hay algo en el amor como una luz suicida,
tal vez es sólo eso,
y hay amores que duran algo menos que un beso,
y besos que han durado algo más que una vida.


Luis Rosales

Dizem que os bons não nascem por acaso

Foi p'ra fazer um bom destino Que ela inventou com que se entreter Dança os mais altos desafios Que toda a alma pretende ter
Experimentou o desatino Viu o seu esforço a querer se inverter Ainda p'ra mais tendo aprendido Nunca é tarde p'ra perder
Semeia o sol, colhe a tempestade Quem paga p'ra ver? Ninguém aposta no teu fracasso Ninguém se abate se ele acontecer Dizem que os bons não nascem por acaso Tens tanto a fazer
Foi p'lo sabor do seu caminho Que ela acabou por se convencer Que avançava mais indo mansinho Que em passos altos a combater
Onde plantou o azevinho Cresceu o dom de saber ver crescer Linda a promessa do destino Se houver vontade de a manter
Semeia o sol, colhe a tempestade Quem paga p'ra ver? Ninguém aposta no teu fracasso Ninguém se abate se ele acontecer Dizem que um dom não desce por acaso Quem tem, tem de o ter
Tu deste o fortúnio pelo amor Não te restou mais nada Provaste o grande dissabor da fria madrugada
Quando assentou o teu sorriso não…
Plantemos flores à beira do abismo
há-de haver no deserto um lugar de água
alguém que nos chame pelo nome
e nos acolha ao termo da viagem.
J. A.. Mourão
Espero por ti e já é tarde

Petrifico e choro e já é tarde

Apenas os versos são de mármore

É líquido o mais e dói-me a sede
Deste fogo aceso que não arde.


Daniel Faria
Todos os dons são formas de amor, assim todas as virtudes nele encontram a sua semente e o seu alimento. O amor sopra em todos os tempos e lugares, nunca sai do seu silêncio nem a nada faz sombra... é a luz que vê e ilumina, sem ser vista ou iluminada.

José Luís Nunes Martins

Autobiografia

Onde eu nasci
há mais terra que céu.

Tanto leito é uma bênção
para mortos e sonhadores.

E de tão pouco ser o céu
nasce o Sol
em gretas nos nossos pés
e os corações se apertam
quando remoinhos de poeira
se elevam nos telhados.

As mães
espanam o teto
e poeiras de astros
cobrem o soalho.

De tão raso o firmamento
a chuva tropeça nas copas
enquanto nuvens se engravidam de rios.

Com tanta escassez de céu
não há encosto
nem para a mais minguante lua
e os meninos,
na ponta dos dedos,
acendem estrelas.

Pois,
nessa terra
que é tanta para tão pouco céu,
calhou-me a mim ser ave.

Pequenas que são,
as minhas asas parecem-me enormes.

Envergonhado,
escondo-a de olhares vizinhos.

Nas minhas costas
pesam
versos e plumas.

Voarei,
um dia,
sem saber
se é de terra ou de céu
a pegada do voo que sonhei.

Mia Couto
in Vagas e lumes
Sentada, alheia. À chinês. Cabelo solto, ondas incertas de uma trança já perdida. Com os pés a maturar silêncios, descalços, sedentos de chão. Respiro. Por instantes acredito que a Lua se acende no céu de África.

Sou aquele que busca

Sou aquele que busca
Um caminho.
Para tudo o que é mais
Do que
Metabolismo
Circulação sanguínea
Alimentação
Decomposição das células. Sou aquele que busca
Um caminho
Que é mais largo
Do que eu. Não demasiado estreito.
Não a via-de-um-homem-só.
Mas tampouco
A poeirenta estrada
Mil vezes percorrida. Sou aquele que busca
Um caminho.
Um caminho para mais
Do que eu. Gunter Kunert