Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Março, 2013
“Às vezes parece-nos que Deus não responda ao mal, que permaneça calado. Na realidade, Deus falou, respondeu, e a sua resposta é a Cruz de Cristo: uma Palavra que é amor, misericórdia, perdão. É também julgamento: Deus julga amando-nos. Se acolho o seu amor, estou salvo; se o recuso, estou condenado, não por Ele, mas por mim mesmo, porque Deus não condena, Ele unicamente ama e salva”.

Papa Francisco
(29032013, Via Sacra)

Sábado santo, dia de silêncio

Em Jerusalém o silêncio deve ter sido total, imenso. 
Confrontados com a Tua morte na cruz, os discípulos recolheram-se nas suas casas. 
Consigo ver o desalento nos olhares, a emoção contida nas poucas frases trocadas…Tinham andado Contigo de terra em terra, 
visto os milagres a acontecer, as escrituras a tornarem-se realidade. 
Acompanharam-Te no calvário, à distância, olhos no chão e ombros caídos. 
Como deve ter sido difícil ser Teu discípulo naquele sábado, em que tudo parecia perdido.
Perante o mistério da morte, o silêncio prevalece, suaviza a dor, permite o reencontro dentro de nós. 
Sabemos que amanhã vai soprar a brisa de Deus.
Mas hoje precisamos deste silêncio que nos une na expectativa da espera.
Sábado santo, dia de silêncio.


Isabel Figueiredo
http://rr.sapo.pt/rubricas_detalhe.aspx?fid=70&did=101746

Se é verdade que as formas mais antigas de ateísmo estão agora desactualizadas, não podemos ainda proclamar o florescer do teísmo. Aquilo que mais verdadeiramente caracteriza o momento presente é que "Deus está ausente mas ninguém tem saudades". Esta é uma situação verdadeiramente nova, que anteriormente nunca tinha existido no mundo.

Josep Vipes
Lembro-me agora que tenho de marcar um encontro contigo, num sítio em que ambos nos possamos falar, de facto, sem que nenhuma das ocorrências da vida venha interferir no que temos para nos dizer. Muitas vezes me lembrei de que esse sítio podia ser, até, um lugar sem nada de especial, como um canto de café, em frente de um espelho que poderia servir de pretexto para reflectir a alma, a impressão da tarde, o último estertor do dia antes de nos despedirmos, quando é preciso encontrar uma fórmula que disfarce o que, afinal, não conseguimos dizer. É que o amor nem sempre é uma palavra de uso, aquela que permite a passagem à comunicação; mais exacta de dois seres, a não ser que nos fale, de súbito, o sentido da despedida, e que cada um de nós leve, consigo, o outro, deixando atrás de si o próprio ser, como se uma troca de almas fosse possível neste mundo. Então, é natural que voltes atrás e me peças: "Vem comigo!", e devo dizer-te que muitas vezes pensei em fazer isso mesmo, mas …

Pequeno detalhe

Sabemos que a unidade se cuida cuidando das mediações. E a Esperança é mediadora por excelência quando está atenta aos pequenos detalhes nos quais se dá esse misterioso intercâmbio de fragilidade por misericórdia. Quando há bons mediadores, desses que cuidam dos detalhes, não se rompe a unidade. Jesus cuidava dos detalhes. O "pequeno detalhe" que faltava uma ovelha.
O "pequeno detalhe" que o vinho estava a acabar.
O "pequeno detalhe" da viúva que ofereceu as suas duas moedas.
O "pequeno detalhe" daquele que não perdoou uma dívida pequena depois de ter sido perdoado numa dívida grande.
O "pequeno detalhe" de ter aceite suficiente nas lâmpadas para o caso de o noivo se demorar.
O "pequeno detalhe" de reparar quantos pães havia.
O "pequeno detalhe" de ter as brasas preparadas e um peixe na grelha enquanto esperava os discípulos de madrugada.
O "pequeno detalhe" de perguntar a Pedro, entre tantas coisas importantes qu…
Não é nas reiteradas introspecções que encontramos o Senhor, adverte o Pontífice, nem mesmo nos cursos de autoajuda. O poder da graça cresce na medida em que, com fé, saímos para nos dar a nós mesmos oferecendo o Evangelho aos outros, para dar a pouca unção que temos àqueles que nada têm.

(Papa Francisco)
http://spedeus.blogspot.pt/2013/03/ser-pastor-e-sentir-o-cheiro-das-ovelhas.html
O nosso povo gosta do Evangelho quando é pregado com unção, quando o Evangelho que pregamos chega ao seu dia a dia, quando escorre como o óleo de Aarão até às bordas da realidade, quando ilumina as situações extremas, «as periferias» onde o povo fiel está mais exposto à invasão daqueles que querem saquear a sua fé. As pessoas agradecem-nos porque sentem que rezámos a partir das realidades da sua vida de todos os dias, as suas penas e alegrias, as suas angústias e esperanças. E, quando sentem que, através de nós, lhes chega o perfume do Ungido, de Cristo, animam-se a confiar-nos tudo o que elas querem que chegue ao Senhor: «Reze por mim, padre, porque tenho este problema», «abençoe-me», «reze para mim»… Estas confidências são o sinal de que a unção chegou à orla do manto, porque é transformada em súplica. Quando estamos nesta relação com Deus e com o seu Povo e a graça passa através de nós, então somos sacerdotes, mediadores entre Deus e os homens.
Papa Francisco http://www.news.va/pt/ne…
«À ceux qui étaient scandalisés de le voir manger avec les pécheurs, les publicains, Jésus répond: “Les publicains et les prostituées vous précéderont”, alors que c'était la lie de la société de l'époque. Jésus ne les supporte pas. Ce sont eux qui ont cléricalisé - pour dire les choses clairement - l'Église du Seigneur. Ils l'encombrent de préceptes. Je le dis avec tristesse, et pardonnez-moi si j'ai l'air de les dénoncer ou de les insulter, mais il y a dans notre région ecclésiastique des prêtres qui refusent de baptiser les enfants de mères célibataires sous prétexte qu'ils ont été conçus hors des liens sacrés du mariage. Ce sont les hypocrites d'aujourd'hui. Ceux qui ont cléricalisé l'Église. Ceux qui éloignent du salut le peuple de Dieu. Et cette pauvre fille qui, alors qu'elle pouvait renvoyer son enfant à l'expéditeur, a eu le courage de le mettre au monde, erre de paroisse en paroisse en demandant qu'on le baptise! (…) Clérica…

"O Senhor está sempre na minha presença." IX

“A paciência de Deus, é um mistério. Recordo a figura do pai, que avistou ao longe o filho que tinha ido embora. Porque o avistou ao longe? Porque todos os dias ia para o alto da estrada para ver se o filho voltava! Esta é a paciência de Deus, esta é a paciência de Jesus”.

Papa Francisco

"O Senhor está sempre na minha presença." VIII

A paciência

Para ser sincero, há momentos em que a minha admiração converge toda para a impaciência. Por alguma razão, a mim misteriosa, nunca me pareceu um peso lidar com os impacientes (fossem os outros ou eu próprio). Facilmente se ativa o meu humor perante alguém que ferve em menos água do que aquela que tem um oceano. E, da mesma maneira que me comove a reverência verdadeira, admiro os irreverentes, aprendo com os que se empenham em contrariar indefinidas esperas, agradeço aos que sacodem a estabilidade preguiçosa dos nossos tiques, procuro balançar os motivos dos que dizem “não estou para isso”. Contudo, acho que descubro sempre mais que a paciência é uma preciosa estação interior na qual todos precisamos maturar. Quando penso na paciência, ancoro muitas vezes na imagem da semente, no desprendimento e na lentidão da semente que aceita a escuridão da terra como condição para florescer. Tanto os que semeiam os campos, como os que depositam sementes nos corações, deveriam primeiro ter formado a…
e às vezes, o silêncio estremece
como se fosse a hora de passar alguém
que só hoje não vem.


sophia de mello b. andresenobra poética Icaminho
1999
À sua passagem a noite é vermelha E a vida que temos parece Exausta, inútil, alheia.
Ninguém sabe onde vai nem donde vem, Mas o eco dos seus passos Enche o ar de caminhos e de espaços E acorda as ruas mortas.
Então o mistério das coisas estremece E o desconhecido cresce Como uma flor vermelha.




sophia de mello breyner andresen obra poética I caminho 1999

"O Senhor está sempre na minha presença." VII

“África são pessoas, África não são problemas. A não ser que se comece por aqui contar-se-à a história sempre de forma errada."

Chinua Achebe
"Há uma rede por baixo de todos nós.
às vezes dançamos
e às vezes
caímos.
E
há uma rede
por baixo de todos nós."

Laurie Jones
Viver não dói. O que dói
é a vida que se não vive.
Tanto mais bela sonhada,
quanto mais triste perdida.

Viver não dói. O que dói
é o tempo, essa força onírica
em que se criam os mitos
que o próprio tempo devora.

Viver não dói. O que dói
é essa estranha lucidez,
misto de fome e de sede
com que tudo devoramos.

Viver não dói. O que dói,
ferindo fundo, ferindo,
é a distância infinita
entre a vida que se pensa
e o pensamento vivido.

Que tudo o mais é perdido. 

Emílio Moura
(1902-1971)

Insconstância

Procurei o amor que me mentiu.
Pedi à Vida mais do que ela dava.
Eterna sonhadora edificava
Meu castelo de luz que me caiu!

Tanto clarão nas trevas refulgiu,
E tanto beijo a boca me queimava!
E era o sol que os longes deslumbrava
Igual a tanto sol que me fugiu!

Passei a vida a amar e a esquecer...
Um sol a apagar-se e outro a acender
Nas brumas dos atalhos por onde ando...

E este amor que assim me vai fugindo
É igual a outro amor que vai surgindo,
Que há de partir também... nem eu sei quando...

Florbela Espanca
(1894-1930)
Levanto-me por ti que não sei quem és
mas sei quem és
mesmo não sendo nada para nós
ou sendo tudo em nós sem o sabermos
Levanto-me para ti
e acendo num impulso a minha trémula fragilidade
Eu quero estar vivo apesar de tudo
para que me dês a oportunidade de uma outra vida nesta
Será que ainda posso ser o que nunca fui
e que julguei que nunca poderia ser?
Senhor eu quero beber o vinho da tua vinha azul
e sentir a tua presença na distância dos montes
e o plácido odor do teu corpo translúcido António Ramos Rosa

"O Senhor está sempre na minha presença." VI