Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Junho, 2016
"Com o tempo vais aceitando esse bocadinho de ti que não volta porque está onde pertence."

Lokas, 
sobre a missão em Fonte Boa (Moçambique)

Creoula

Não há como não ter saudade de estar "no meio do nada" e simplesmente confiar.







Devia morrer-se de outra maneira.
Transformarmo-nos em fumo, por exemplo.
Ou em nuvens.
Quando nos sentíssemos cansados, fartos do mesmo sol
a fingir de novo todas as manhãs, convocaríamos
os amigos mais íntimos com um cartão de convite
para o ritual do Grande Desfazer: "Fulano de tal comunica
a V. Exa. que vai transformar-se em nuvem hoje
às 9 horas. Traje de passeio".
E então, solenemente, com passos de reter tempo, fatos
escuros, olhos de lua de cerimônia, viríamos todos assistir
a despedida.
Apertos de mãos quentes. Ternura de calafrio.
"Adeus! Adeus!"
E, pouco a pouco, devagarinho, sem sofrimento,
numa lassidão de arrancar raízes...
(primeiro, os olhos... em seguida, os lábios... depois os cabelos... )
a carne, em vez de apodrecer, começaria a transfigurar-se
em fumo... tão leve... tão sutil... tão pòlen...
como aquela nuvem além (vêem?) — nesta tarde de outono
ainda tocada por um vento de lábios azuis...
José Gomes Ferreira

Rachael Yamagata ft. Ray LaMontagne ~ Duet

Abro a caixa do inverno. Tiro os ventos,
as rajadas de chuva, os bancos de neve de onde
fugiram todos os pássaros. Desenrolo à minha
frente os pântanos do inverno. Ando à volta 
deles para desentorpecer as pernas; sacudo
o frio das mãos; limpo a chuva que se me colou
aos cabelos. Depois, volto a lançar os dados
- e avanço até à primavera.


Nuno Júdice

Caminhos

Em contagem decrescente

É uma despedida com encanto. É uma despedida que custa, como custa deixar tudo aquilo que marca e comove.  Como custa deixar a casa em que crescemos e onde gastamos a inocência. Obrigada! Por cada pedacinho. Por tudo. Por cada um. E agradecer não chega.
A Deus.
 O B R I G A D A
Missão País 2014-2016