Avançar para o conteúdo principal

O valor de tudo e a importância do nada




Uma das melhores formas de avaliar as pessoas e as coisas é esperar que com o passar do tempo a sua importância se relativize e revele. Demasiado perto, tudo tende a parecer absoluto e definitivo. Para compreender cada momento da vida, é preciso que ele passe, e que se junte a outros até que chegue o momento certo de ver, com toda a clareza, o que se passou. 
.
O segredo do discernimento é afinal uma coisa tão simples quanto exigente e dolorosa: paciência.
.
Se só se compreende a vida quando olhamos para trás, a verdade é que, para a viver, o sentido é o oposto. Para diante. Assim, uma escolha determinante das nossas vidas passa por saber onde colocamos os nossos olhos e o nosso coração: no passado em busca de compreensão e aceitação; ou, no futuro em busca de mais vida. 
.
O nosso caminho passa por terras desconhecidas e mares longínquos. A nossa vida é um acabar que nunca acaba. Como não há um fim definitivo, renascemos de forma constante em muitos lugares e tempos, e é sempre assim, por mais cansados e angustiados que estejamos... porque a nossa vida quer viver mais do que nós mesmos!
.
O vencedor sai muitas vezes derrotado. Uma das alturas em que o coração não deve fraquejar é quando está rodeado de inimigos. A solidão essencial de cada um de nós é tão profunda que assusta os que nunca se dão conta da imensidão do mundo dentro de si. 
.
Eu sou alguém que busca um outro para ser com ele, a partir dele e... para ele. 
.
Nos tempos de abandono há que ter a coragem da esperança. Aquela certeza de que o nosso caminho passa por vales de trevas, frio e dor... mas a nossa missão não é nem ficar por ali, nem perder a nossa fé no amor. As nossas obras devem ser a resposta ao sofrimento, porque são as obras que confirmam a missão. 
.
Fazer o que devo, estando inteiro no que faço!
.
Quem não quer mesmo vencer, não pode esperar vitórias. 
.
Não. A nossa existência não é só isto. É mais do que isto. É muito mais do que nós. 
.
Nos sucessos é bom lembrar os falhanços... tudo se torna mais claro. Os sucessos e o fracassos. 
.
Há uma vida imensa e intensa dentro de mim. A mesma vida que anima as árvores, que florescem e frutificam nas primaveras... e que, soprando no vento, as despe e livra dos seus ramos mortos... a mesma força que levanta as ondas do mar e que, das rochas, faz areia. A mesma coragem que nasce e ilumina o coração invencível de quem aprende a amar. 
.
Devemos ousar ser mais. Desenhar uma cruz no infinito e rumar para lá... Enquanto não chegar o tempo de sermos nós a folha que cai... 
.
Eu sou também a minha herança. O ser daqueles que me amaram e que aceitei. 
.
Cada um de nós não é apenas uma folha, um ramo ou uma árvore... mas uma floresta, um mundo e um universo. 
.
Como não querer dar tudo pela verdadeira felicidade? Buscar no passado o sentido da vida é como buscar nos sonhos razões de saudade. 
.
À noite, as luzes são mais suaves e verdadeiras. O céu é mais belo quando se podem ver todas as estrelas cintilantes que a nossa curta vista alcança. O luar pode ser ainda mais puro do que a própria luz do sol. 
.
O amor chama. Ao longe, alguém canta. Ao longe. Há que esperar. Lutar. Com fé. Aquela certeza de que não sou eu. Somos nós. 
.

José Luís Nunes Martins 29 de agosto de 2015 Ilustração de Carlos Ribeiro

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Máscaras D’Orfeu

Finjo Finjo tanto
Que até a pensar finjo que penso Finjo tanto, que fujo em cavalos de fumo
Num galope de gazela de vento, com olhos de lua
E lágrimas húmidas de mundos tristes
Só para imitar beleza de imagens que nunca tive (momento doce nesta tempestade subterrânea) Agora...
Agora a infância já me fica tão distante
Mas mesmo assim, continuo a vestir o bibe das riscas azuis
Com que me vou enlamear no pântano mais próximo
Para saborear o medo e a inocência
De quem é condenado por julgar estrelas
As pedras humilhadas desta rua que outrora me pertenceu Construo cidades de água e jardins transparentes
Onde planto flores de sono, que amo e possuo
Num acto único de metamorfose selvagem E finjo
E finjo a coragem que não tenho
No retrato mentiroso da moldura onde me exibem
Com o sorriso irónico da punhalada traiçoeira (Futuro génio da família… dizem eles) Promoção gratuita na condição de nunca ser eu
Mas sim, o cadáver ambulante da sua vontade Querem-me vestido de carne à sua semelhança!
Na…