Avançar para o conteúdo principal

15/366 dias

Chefona, ainda tens as fotos que nos deste no workshop de Timor?

Tenho, de qual precisas?

Que bom! Daquela do homem a ver-se ao espelho, a sorrir. Mas só se vê de costas... Tem a cara toda suja ou pintada, como um guerreiro.

Essa foto é minha (tirada por mim). Ora espera...

??? Não pode, parece do google!!!. (ou pelo menos o cenário é muito improvável).

Eu não me lembro que possa ser outra. Ora vê se é esta ou não:


É esta!!! Que top! Quando é que isto aconteceu???

Quando fizemos aquela atividade dos Repórteres de Deus - "aqui reconheço ou não reconheço Deus". Fotografei isto no Chiado.

E já agora, como é tu vês Deus aqui? ;-) Quero ouvir a tua perspetiva!

Que pergunta difícil! Acho que na altura, foi a foto que usei para dizer "aqui não reconheço Deus". Por acreditar que não podemos ser homens estátuas, a ver a vida passar. Não podemos mascarar-nos e escondermos-nos envoltos em purpurinas. Os sorrisos não podem ser só construídos à frente de espelhos, se me faço entender.

Bastante bem!

Mas uma perguntita, para que queres a foto? Estou curiosa :p

Sabes, há um dia da semana, lá na missão, em que o filho vai estar na m**** Já nem se reconhece como Filho, fica quase abaixo da condição dos porcos. Mesmo assim, apesar de todas as asneiras péssimas que ele fez, Deus perdoou. E é essa a atitude que eu quero passar aos missionários - que o perdão deve existir apesar de todas as asneiras (na nossa relação com os outros especialmente)

--  a que se segue o post-it de hoje --



E de repente, passa-se a (re)conhecer Deus.

Este menino é de ouro e é bonito como somos um para o outro referências. Ambos o sabemos.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Máscaras D’Orfeu

Finjo Finjo tanto
Que até a pensar finjo que penso Finjo tanto, que fujo em cavalos de fumo
Num galope de gazela de vento, com olhos de lua
E lágrimas húmidas de mundos tristes
Só para imitar beleza de imagens que nunca tive (momento doce nesta tempestade subterrânea) Agora...
Agora a infância já me fica tão distante
Mas mesmo assim, continuo a vestir o bibe das riscas azuis
Com que me vou enlamear no pântano mais próximo
Para saborear o medo e a inocência
De quem é condenado por julgar estrelas
As pedras humilhadas desta rua que outrora me pertenceu Construo cidades de água e jardins transparentes
Onde planto flores de sono, que amo e possuo
Num acto único de metamorfose selvagem E finjo
E finjo a coragem que não tenho
No retrato mentiroso da moldura onde me exibem
Com o sorriso irónico da punhalada traiçoeira (Futuro génio da família… dizem eles) Promoção gratuita na condição de nunca ser eu
Mas sim, o cadáver ambulante da sua vontade Querem-me vestido de carne à sua semelhança!
Na…