Avançar para o conteúdo principal

Primavera: regresso

12 de Abril

Invoco-te agora porque sei que me ouves, que os que amamos não morrem pela morte, só morrem em vida. Invoco-te, mãe, porque hoje, Domingo de Páscoa, foi um dia muito duro para mim - com amigos que não estavam onde deveriam ter estado, mentiras que estavam no lugar das verdades e um deserto para atravessar, depois de ter atravessado e sobrevivido, tão próximo ainda, exposto e indefeso, o terrível corredor do hospital que antecede a grande sala das decisões, a que também chamam a sala de operações. Como podes ver, vou recuperando, devagar no corpo e pior no resto. Mas, ontem, estive em Lagos, na Ponta da Piedade, olhando as nossas grutas - o meu território de infância, a luz da tua poesia. Vi o nosso mar e as nossas rochas, vi ali, claramente vista, a verdade e a imanência, a dignidade das coisas em que sempre acreditaste e em que me ensinaste a acreditar. Vi o teu olhar azul como o do mar de Lagos, a tua voz tranquila, as palavras ditas sem desperdício algum, a tua mão desenhando danças sobre o tampo da mesa, o fumo do cigarro perdido no vento que tudo leva, a força, que me ensinaste, de nunca trair, de nunca mentir, de enfrentar mesmo a mais negra escuridão, mas de nunca dar combate a quem não caminha sobre a luz e de cara virada ao vento. Mãe, que me ensinaste a "atravessar contigo o deserto do mundo", fala comigo, só agora, só mais esta vez. Prometo que é a última, que nunca mais me engano no caminho.


não se encontra o que se procura
miguel sousa tavares

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Oh Senhor

Ó Senhor, que difícil é falar quando choramos, quando a alma não tem força, quando não podemos ver a beleza que tu entregas em cada amanhecer. Ó Senhor, dá-me forças para poder encontrar-te e ver-te em cada gesto, em cada coisa desta terra que Tu desenhaste só para mim. Ó Senhor, sim, eu seu preciso da tua mão, do abraço deste amigo que não está. Dá-me luz, à minha alma tão cansada, que num sonho queria acordar. Ó Senhor, hoje quero entregar-te o meu canto com a música que sinto. Eu queria transmitir através destas palavras. Fico mais perto de ti.
Eu falo das casas e dos homens, dos vivos e dos mortos: do que passa e não volta nunca mais... Não me venham dizer que estava matematicamente previsto, ah, não me venham com teorias! Eu vejo a desolação e a fome, as angústias sem nome, os pavores marcados para sempre nas faces trágicas das vítimas. E sei que vejo, sei que imagino apenas uma ínfima, uma insignificante parcela da tragédia. Eu, se visse, não acreditava. Se visse, dava em louco ou profeta, dava em chefe de bandidos, em salteador de estrada, - mas não acreditava! Olho os homens, as casas e os bichos. Olho num pasmo sem limites, e fico sem palavras, na dor de serem homens que fizeram tudo isto: esta pasta ensanguentada a que reduziram a terra inteira, esta lama de sangue e alma, de coisa e ser, e pergunto numa angústia se ainda haverá alguma esperança, se o ódio sequer servirá para alguma coisa... Deixai-me chorar - e chorai! As lágrimas lavarão ao menos a vergonha de estarmos vivos, de termos sancionado com o nosso silêncio