Avançar para o conteúdo principal

Um dia negro



Que palavras se podem encontrar para descrever o que todos nós sentimos após o atentado contra o "Charlie Hebdo", em França? O jornalismo está de luto e cada jornalista, quer seja polemista ou não, tem hoje o coração pesado e triste. Os nossos pensamentos vão para os nossos colegas que perderam a vida apenas por exercerem a sua profissão, e aos seus próximos. Pensamos também nos polícias, friamente abatidos, que estavam lá para defender os valores que são nossos e a população.

Quer se goste ou não do "Charlie Hebdo", quer se partilhe ou não o seu ideário e o seu sentido de provocação, não é importante. Cada época conheceu os seus panfletários, os seus polemistas, que a dado momento caricaturaram os excessos do seu tempo. Sem eles, a democracia não se teria construído.

A liberdade de pensamento e de expressão é uma das aquisições fundamentais da nossa sociedade. Muitas vezes, e com justiça, levantamo-nos contra as prática que, em certos locais do mundo, visam amordaçar aqueles que ousam criticar e denunciar as injustiças e excessos de todo o género.

Quando o problema das caricaturas do profeta se colocou, ocorreu um debate aceso sobre a oportunidade ou não de as publicar. O "Charlie Hebdo" fê-lo em nome desta liberdade de expressão, não para atingir uma religião e os seus fiéis - mesmo que, sem dúvida, tenha sido o caso -, mas porque a redação não quis ceder às ameaças.

Ceder às ameaças é fazer recuar a democracia e a justiça. E por vezes, infelizmente, é preciso transgredir as regras de cortesia em nome de princípios que regem a nossa sociedade que procura construir um mundo melhor.

No momento de escrever estas linhas, ninguém reivindicou o atentado. Como é evidente, as suspeitas recaem sobre o extremismo radical islâmico, tendo em conta as ameaças de que o semanário satírico foi objeto, bem como o contexto internacional. Mas sejam quais forem os autores, a questão é saber em nome de que reivindicações se pode justificar o ato terrorista que ocorreu em Paris. Nenhuma causa, ainda que a mais nobre, justifica o desprezo da vida e o ódio pelo outro.

Mesmo que não partilhemos as posições do "Charlie Hebdo", é preciso saudar a coragem da redação por ter, por vezes - é verdade - com excesso, denunciado as injustiças, troçado, caricaturado, demonstrado os abusos,... Fizeram avançar o mundo. Ceder às ameaças e ao terrorismo, exercer a autocensura, seria a melhor vitória para aqueles que cometeram o inominável nesta sombria quarta-feira.

Em nome desta liberdade pela qual os nossos antepassados combateram, estamos todos solidários. Hoje, não é só a imprensa que está de luto. É um dia negro para a democracia e para o mundo. Para cada um de nós.



Jean-Jacques Durré 
Chefe de redação de "Médias Catholiques Belges Francophones" 
Trad.: Rui Jorge Martins 
Publicado em 07.01.2015

http://www.snpcultura.org/um_dia_negro.html

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Oh Senhor

Ó Senhor, que difícil é falar quando choramos, quando a alma não tem força, quando não podemos ver a beleza que tu entregas em cada amanhecer. Ó Senhor, dá-me forças para poder encontrar-te e ver-te em cada gesto, em cada coisa desta terra que Tu desenhaste só para mim. Ó Senhor, sim, eu seu preciso da tua mão, do abraço deste amigo que não está. Dá-me luz, à minha alma tão cansada, que num sonho queria acordar. Ó Senhor, hoje quero entregar-te o meu canto com a música que sinto. Eu queria transmitir através destas palavras. Fico mais perto de ti.
Eu falo das casas e dos homens, dos vivos e dos mortos: do que passa e não volta nunca mais... Não me venham dizer que estava matematicamente previsto, ah, não me venham com teorias! Eu vejo a desolação e a fome, as angústias sem nome, os pavores marcados para sempre nas faces trágicas das vítimas. E sei que vejo, sei que imagino apenas uma ínfima, uma insignificante parcela da tragédia. Eu, se visse, não acreditava. Se visse, dava em louco ou profeta, dava em chefe de bandidos, em salteador de estrada, - mas não acreditava! Olho os homens, as casas e os bichos. Olho num pasmo sem limites, e fico sem palavras, na dor de serem homens que fizeram tudo isto: esta pasta ensanguentada a que reduziram a terra inteira, esta lama de sangue e alma, de coisa e ser, e pergunto numa angústia se ainda haverá alguma esperança, se o ódio sequer servirá para alguma coisa... Deixai-me chorar - e chorai! As lágrimas lavarão ao menos a vergonha de estarmos vivos, de termos sancionado com o nosso silêncio