Avançar para o conteúdo principal
Levo comigo o meu abismo e ando. Reduzo a nada os caminhos que chegam ao fim, abro os caminhos longos como o ar, como a poeira, fazendo nascer inimigos dos meus passos, inimigos à minha medida. O abismo é o meu travesseiro, as ruínas são os meus ascensores.


Na verdade, sou a morte.


As orações fúnebres são as minhas fórmulas. Apago e espero quem me apagará. Nenhum desvio no meu fumo e nos meus sortilégios. Assim vivo na memória do ar.


Descubro uma cadência e um timbre para a nossa época.


(época que se esfarela como a areia e se solda como o metal época de nuvens chamadas rebanhos, de placas de zinco chamadas cérebros, época de submissão e de miragens, de marionetes e de espantalhos, época do instante glutão, época de uma queda sem fundo).


Não tenho artéria para esta época. Sou disperso e nada se parece comigo.


Crio uma ardência semelhante ao estertor do leviatã.


Vivo secretamente no seio de um sol por vir. Protejo-me com a infância da noite, abandonando a cabeça nos joelhos da manhã. Fujo e escrevo os livros do êxodo. Nenhuma promessa me espera.


Sou profeta e semeador de dúvidas.


Amasso a levedura da queda. Deixo o passado ao seu declínio e fixo a minha escolha sobre mim próprio. Distendo a época e enrolo-a. Chamo-a ó gigante monstruoso, ó monstro gigante. E rio e choro.


Sou argumento contra a época.


Apago os rastos e as manchas do meu ser interior. Lavo-o, limpo-o, deixo tudo em branco. Assim vivo no mais profundo de mim próprio.


As minhas veias alimentam-se de um derrame de sangue e não há lugar para mim entre os mortos. A vida é a minha vítima e não sei como morrer – o meu tempo está escondido, está sob os meus olhos. Ontem entrei no rito das ondas e a água era a minha chama.


Apresso-me porque a morte me persegue mobilizando os seus ventos entre os meus olhos. Rio com ela e choro no bater das minhas pestanas. Ah! Morte histriónica, morte carpideira!


Sei que estou no coração da morte, que me absorvo no túmulo, que bato contra as palavras. Mas vivo – outros que não eu sabem-no.


Ataco, desenraízo, passo, desafio. Aí onde passei caem as cataratas de um outro mundo. Aí onde passo está a morte, o beco sem saída.


Permanecerei assim – cercado por mim próprio.





adonis
arco-íris do instante
antologia poética
tradução de nuno júdice
dom quixote
2016

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Máscaras D’Orfeu

Finjo Finjo tanto
Que até a pensar finjo que penso Finjo tanto, que fujo em cavalos de fumo
Num galope de gazela de vento, com olhos de lua
E lágrimas húmidas de mundos tristes
Só para imitar beleza de imagens que nunca tive (momento doce nesta tempestade subterrânea) Agora...
Agora a infância já me fica tão distante
Mas mesmo assim, continuo a vestir o bibe das riscas azuis
Com que me vou enlamear no pântano mais próximo
Para saborear o medo e a inocência
De quem é condenado por julgar estrelas
As pedras humilhadas desta rua que outrora me pertenceu Construo cidades de água e jardins transparentes
Onde planto flores de sono, que amo e possuo
Num acto único de metamorfose selvagem E finjo
E finjo a coragem que não tenho
No retrato mentiroso da moldura onde me exibem
Com o sorriso irónico da punhalada traiçoeira (Futuro génio da família… dizem eles) Promoção gratuita na condição de nunca ser eu
Mas sim, o cadáver ambulante da sua vontade Querem-me vestido de carne à sua semelhança!
Na…