Avançar para o conteúdo principal
Por natureza, o amor não existe - justamente uma água turva num espelho, a aliança momentânea de dois interesses, um misto de guerra e de comércio. Aquilo que é natural é este modo de amar que vos assemelha e lisonjeia - os amigos acolhedores, as damas perfumadas. Aquilo que é sobrenatural é entrar na leprosaria, perto de Assis, passar duma sala à outra, caminhar com passo de camponês, repentinamente calmo, ver avançar para vós estes farrapos de carne, estas mãos imundas que pousam sobre os vossos ombros, apalpam o vosso rosto; contemplar os fantasmas e apertá-los contra si, longamente, em silêncio, evidentemente em silêncio: não se vai falar de Deus àquela gente. São do outro lado do mundo. São dejectos do mundo, excluídos do prazer dos vivos, como do repouso do mortos. Sabem o suficiente sobre o mundo para compreenderem donde vem este gesto do jovem, para compreenderem que não vem dele, mas de Deus: só o Pequenino pode inclinar-se tão profundamente, com tanta simples graça. 

Christian Bobin
Francisco e o Pequenino

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Máscaras D’Orfeu

Finjo Finjo tanto
Que até a pensar finjo que penso Finjo tanto, que fujo em cavalos de fumo
Num galope de gazela de vento, com olhos de lua
E lágrimas húmidas de mundos tristes
Só para imitar beleza de imagens que nunca tive (momento doce nesta tempestade subterrânea) Agora...
Agora a infância já me fica tão distante
Mas mesmo assim, continuo a vestir o bibe das riscas azuis
Com que me vou enlamear no pântano mais próximo
Para saborear o medo e a inocência
De quem é condenado por julgar estrelas
As pedras humilhadas desta rua que outrora me pertenceu Construo cidades de água e jardins transparentes
Onde planto flores de sono, que amo e possuo
Num acto único de metamorfose selvagem E finjo
E finjo a coragem que não tenho
No retrato mentiroso da moldura onde me exibem
Com o sorriso irónico da punhalada traiçoeira (Futuro génio da família… dizem eles) Promoção gratuita na condição de nunca ser eu
Mas sim, o cadáver ambulante da sua vontade Querem-me vestido de carne à sua semelhança!
Na…