Avançar para o conteúdo principal

Medalhas da solidão

Público 
27 de Janeiro de 2017, 6:43

Opinião


Um menino de 8 anos mostra-me o quarto. Está cheio de brinquedos. Por cima da porta, quase escondidos, vejo dezenas de círculos de papel, todos escritos com letras maiúsculas, em vermelho. "O que é isto?" O menino encolhe os ombros, impaciente para irmos jogar futebol: "Isso não é nada..." Sigo caminho mas mais tarde volto lá para ler o que dizem.

Um diz "Por tomar banho sozinho". Outro "Por lavar os dentes sozinho M. e noite". Logo abaixo "Dormir sozinho". Depois "Vestir-se sozinho", "Medalha arrumar os brinquedos sozinho" e "Comer sozinho com faca". A única medalha que não menciona a palavra "sozinho" dá-lhe os parabéns por "pôr a louça na máquina".

Compreendi logo porque é que ele encolheu os ombros. São pouco comemorativas estas falsas medalhas, escritas com caneta de feltro e cheias de apressadas abreviaturas. São de cartolina branca. Não brilham. Não se pode trincar para ver se são de ouro. Não é preciso: são obviamente de cartolina.

É triste isto de crescer. Aprende-se a fazer as coisas sozinho e depois, mais coisa, menos coisa, nunca mais ninguém nos ajuda. Até dá a ideia que os adultos nos ensinam as tarefas só para elas se verem livres da responsabilidade de nos ajudar e ensinar. No fundo ensinam-nos a vivermos sem eles.

Aos oito anos ainda não se é livre mas já se tem muitas obrigações. Mostrarmo-nos afoitos é sempre um erro. Os bons aprendizes depressa ficam sozinhos, com as medalhas dos mestres a amarelecer nas paredes. Até eles também passarem a ser mestres. E para quê?



Miguel Esteves Cardoso

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Máscaras D’Orfeu

Finjo Finjo tanto
Que até a pensar finjo que penso Finjo tanto, que fujo em cavalos de fumo
Num galope de gazela de vento, com olhos de lua
E lágrimas húmidas de mundos tristes
Só para imitar beleza de imagens que nunca tive (momento doce nesta tempestade subterrânea) Agora...
Agora a infância já me fica tão distante
Mas mesmo assim, continuo a vestir o bibe das riscas azuis
Com que me vou enlamear no pântano mais próximo
Para saborear o medo e a inocência
De quem é condenado por julgar estrelas
As pedras humilhadas desta rua que outrora me pertenceu Construo cidades de água e jardins transparentes
Onde planto flores de sono, que amo e possuo
Num acto único de metamorfose selvagem E finjo
E finjo a coragem que não tenho
No retrato mentiroso da moldura onde me exibem
Com o sorriso irónico da punhalada traiçoeira (Futuro génio da família… dizem eles) Promoção gratuita na condição de nunca ser eu
Mas sim, o cadáver ambulante da sua vontade Querem-me vestido de carne à sua semelhança!
Na…