Avançar para o conteúdo principal

Medalhas da solidão

Público 
27 de Janeiro de 2017, 6:43

Opinião


Um menino de 8 anos mostra-me o quarto. Está cheio de brinquedos. Por cima da porta, quase escondidos, vejo dezenas de círculos de papel, todos escritos com letras maiúsculas, em vermelho. "O que é isto?" O menino encolhe os ombros, impaciente para irmos jogar futebol: "Isso não é nada..." Sigo caminho mas mais tarde volto lá para ler o que dizem.

Um diz "Por tomar banho sozinho". Outro "Por lavar os dentes sozinho M. e noite". Logo abaixo "Dormir sozinho". Depois "Vestir-se sozinho", "Medalha arrumar os brinquedos sozinho" e "Comer sozinho com faca". A única medalha que não menciona a palavra "sozinho" dá-lhe os parabéns por "pôr a louça na máquina".

Compreendi logo porque é que ele encolheu os ombros. São pouco comemorativas estas falsas medalhas, escritas com caneta de feltro e cheias de apressadas abreviaturas. São de cartolina branca. Não brilham. Não se pode trincar para ver se são de ouro. Não é preciso: são obviamente de cartolina.

É triste isto de crescer. Aprende-se a fazer as coisas sozinho e depois, mais coisa, menos coisa, nunca mais ninguém nos ajuda. Até dá a ideia que os adultos nos ensinam as tarefas só para elas se verem livres da responsabilidade de nos ajudar e ensinar. No fundo ensinam-nos a vivermos sem eles.

Aos oito anos ainda não se é livre mas já se tem muitas obrigações. Mostrarmo-nos afoitos é sempre um erro. Os bons aprendizes depressa ficam sozinhos, com as medalhas dos mestres a amarelecer nas paredes. Até eles também passarem a ser mestres. E para quê?



Miguel Esteves Cardoso

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Oh Senhor

Ó Senhor, que difícil é falar quando choramos, quando a alma não tem força, quando não podemos ver a beleza que tu entregas em cada amanhecer.
Ó Senhor, dá-me forças para poder encontrar-te e ver-te em cada gesto, em cada coisa desta terra que Tu desenhaste só para mim.
Ó Senhor, sim, eu seu preciso da tua mão, do abraço deste amigo que não está. Dá-me luz, à minha alma tão cansada, que num sonho queria acordar.
Ó Senhor, hoje quero entregar-te o meu canto com a música que sinto. Eu queria transmitir através destas palavras. Fico mais perto de ti.
Já não se espera nada de nós?
Irene Guia, Aci
23 Abril 2018
https://pontosj.pt/opiniao/ja-nao-se-espera-nada-de-nos/

Invade-me uma indignação que até sinto fisicamente quando a falta de verdade, as “falcatruas”, os “esquemas” ilícitos, que vêm à ribalta não encontram a correspondente resposta moral.
A última vez que a senti foi quando mais um caso de “enriquecimento ilícito” de um Curriculum Vitae teve como reação de uma relevante figura pública, com um cargo de grande responsabilidade, o seguinte comentário publicado pelo Expresso a 11 de março de 2018: «é inequívoco que ele fez referência a um aspeto do seu currículo que não era preciso e corrigiu, é esta informação que eu tenho e ele deu essa informação à comunicação social».
A única resposta que eu queria, que eu precisava de ter ouvido, era: é grave se o fez, é talvez ainda mais grave se se o está falsamente a acusar. Que jogadas, que esquemas, que dívidas retribuídas em favores nos impedem de continuar a ser moralmente livres? Um a…