Avançar para o conteúdo principal

O TEMPO COMO O VENTO


As horas e os anos sopram apagando as paixões superficiais, ao mesmo tempo que avivam e incendeiam o fogo das mais profundas. Aquilo que é leve levanta voo como se fosse importante e, pouco depois, com o passar do tempo desaparece… Ao que é sólido, o tempo revela-o à medida que se vão perdendo as superficialidades que lhe escondem os contornos. A verdade está, quase sempre, sob um manto sujo... 
.
Somos como pedras. Mais pequenas ou maiores, grãos de areia ou rochedos. A proximidade é mais importante do que o tamanho. O mais pequeno grão de areia, se estiver próximo, é maior do que uma montanha ao longe. Até porque uma montanha ao longe é um mero grão de areia… e um grão de areia é sempre um quase nada. 
.
Importa estar atento ao outro, cuidar do que nele se mantém tanto quanto do que se modifica, celebrando o que de bom não se altera, tanto quanto aquilo que nele muda para melhor… tolerando o mal que teima em ficar, tanto quanto aquilo que se deteriora… 
.
É preciso ter um enorme cuidado com as pequenas oscilações e rotinas, uma vez que conseguem, quase sempre, o que parece impossível ao início: de forma calma e subtil destroem o que é sólido. Muitas vezes, quando damos conta do estrago, já é estrago de mais. 
.
A verdade é que com o passar do tempo, se nada for feito, qualquer situação tende para a desordem. Há que estar atento e a cada dia corrigir este desleixo do tempo.
.
Por mais que o tempo passe, há coisas em que parece não tocar… As aparências mudam, mas até no rosto humano há traços e proporções que se mantém sempre… é nesses, e só nesses, que reside a verdadeira beleza, a essência que transparece de forma simples e subtil por entre as ilusões do instante.
.
O tempo, como um vento, sopra e insufla o interior dos que sabem onde devem ir. 
.
Há pessoas que têm o céu todo no coração. É verdade que a sua grandeza e força não são evidentes… Mas também nunca ninguém viu o vento, o tempo ou o amor… apenas se pode ver o que eles fazem. 

José Luís Nunes Martins 
.
30 de maio de 2015 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Máscaras D’Orfeu

Finjo Finjo tanto
Que até a pensar finjo que penso Finjo tanto, que fujo em cavalos de fumo
Num galope de gazela de vento, com olhos de lua
E lágrimas húmidas de mundos tristes
Só para imitar beleza de imagens que nunca tive (momento doce nesta tempestade subterrânea) Agora...
Agora a infância já me fica tão distante
Mas mesmo assim, continuo a vestir o bibe das riscas azuis
Com que me vou enlamear no pântano mais próximo
Para saborear o medo e a inocência
De quem é condenado por julgar estrelas
As pedras humilhadas desta rua que outrora me pertenceu Construo cidades de água e jardins transparentes
Onde planto flores de sono, que amo e possuo
Num acto único de metamorfose selvagem E finjo
E finjo a coragem que não tenho
No retrato mentiroso da moldura onde me exibem
Com o sorriso irónico da punhalada traiçoeira (Futuro génio da família… dizem eles) Promoção gratuita na condição de nunca ser eu
Mas sim, o cadáver ambulante da sua vontade Querem-me vestido de carne à sua semelhança!
Na…