Avançar para o conteúdo principal
Quem se faz prisioneiro do que recebeu, falha contra a criatividade da fidelidade e o exigente exercício da liberdade historicamente situada. Quem se faz ideólogo da novidade permanente, da autofundação e da autonomia absoluta, esquece que ninguém é pai sem, primeiro, ter sido filho, e que não há árvores sem raízes, nem promessas sem memória, nem crescimento sem espera, nem liberdade sem alteridade. Quem vive, apenas, de olhos postos no alto, perde o pé da existência corpórea, do presente e do finito. Vivendo na abstração de um mundo espiritualmente perfeito e puro, falha contra a lentidão do tempo, a espiritualidade da matéria, a concretude das relações. Quem, pelo contrário, anda cabisbaixo e olhar por terra, acaba, facilmente, amarrado ao lado amorfo e triste das próprias impossibilidades e temores.
Entre-tanto, pelo exercício de se compreender e de se narrar na confluência de tantas dimensões - entre o eu e o outro, o mundo e o absoluto, os factos e a palavra, a graça e o limite, o corpo e o espírito, os sentidos e o sentido, a grandeza e a provisoriedade de cada ente, as possibilidades desejadas e as efetivas realizações -, desenha-se a consciência-de-si-em-relação-aberta. Quando se aceita atravessar e habitar um colóquio generoso com o mais alto e o mais baixo, o dentro e fora de si mesmo, o impacto afetivo das experiências e a sua avaliação crítica, criam-se as disposições indispensáveis para a revelação de uma dádiva e de um novo início, de um renovado percurso de vida e de esperança. E criam-se condições humanas para chegar, talvez, a reconhecer como dom aquele gesto de fé, o mais humilde e o mais nobre, que é a liberdade de se ajoelhar, confiadamente, diante de Deus.

a fé vive de afeto
José Frazão Correia, sj

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Máscaras D’Orfeu

Finjo Finjo tanto
Que até a pensar finjo que penso Finjo tanto, que fujo em cavalos de fumo
Num galope de gazela de vento, com olhos de lua
E lágrimas húmidas de mundos tristes
Só para imitar beleza de imagens que nunca tive (momento doce nesta tempestade subterrânea) Agora...
Agora a infância já me fica tão distante
Mas mesmo assim, continuo a vestir o bibe das riscas azuis
Com que me vou enlamear no pântano mais próximo
Para saborear o medo e a inocência
De quem é condenado por julgar estrelas
As pedras humilhadas desta rua que outrora me pertenceu Construo cidades de água e jardins transparentes
Onde planto flores de sono, que amo e possuo
Num acto único de metamorfose selvagem E finjo
E finjo a coragem que não tenho
No retrato mentiroso da moldura onde me exibem
Com o sorriso irónico da punhalada traiçoeira (Futuro génio da família… dizem eles) Promoção gratuita na condição de nunca ser eu
Mas sim, o cadáver ambulante da sua vontade Querem-me vestido de carne à sua semelhança!
Na…