Avançar para o conteúdo principal
2011/12/05
Patrícia Oliveira




Ainda não dei vida à árvore de Natal, este ano. Ainda não montei o presépio. Ainda não... Seria razão para me perguntar, então: “Mas, estás à espera do quê?”.
É uma palavra de que gosto muito, esta de “esperar”. Eu, que nunca tenho paciência para que algo que demore venha ao meu encontro, eu que antecipo tudo ao ínfimo pormenor, para que nada me escape – e escapa sempre. Logo eu, que não sei esperar por mim própria.
Um tempo de espera será sempre aquele em que se constrói, em que as expectativas se apoderam de nós, em que o desejo se torna por vezes mistério.  Há, contudo, dois tipos de espera que se dividem pelo que já conhecemos e pelo que se revela completamente surpresa. É assim que vivo o Advento. Fazendo dele peregrinação, tornando-me até peregrina de mim própria. Fazendo dele tempo de encontro e tempo de descoberta. Em que me questiono, em que (re)educo o olhar, em que sinto inevitavelmente falta de um (re)nascimento. Esperar, então, algo que me falta, não é senão ter a alegria e o sentimento pleno, no momento em que o obtenho, de ter feito caminho. Um caminho que é, muitas vezes, conversão.
Neste tempo de espera em que vou deixando Deus intrometer-se pelas minhas coisas,  em que vou deixando que me toque, aprendo a ser surpreendida. Aprendo que, por vezes, aquilo que  tenho para vida não é tão bom como aquilo que a Vida tem para mim. Porque eu não espero. Porque não sei dar tempo ao meu olhar, nem tempo aos outros para olharem.
Neste tempo de espera, no conhecimento do Amor do Pai e na surpresa de que descubro, numa nova vi(n)da, forma de ser amada, sempre de novo, aprendo apenas a esperar. 

Não que me caia do céu.
Mas que o céu caia em mim.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Máscaras D’Orfeu

Finjo Finjo tanto
Que até a pensar finjo que penso Finjo tanto, que fujo em cavalos de fumo
Num galope de gazela de vento, com olhos de lua
E lágrimas húmidas de mundos tristes
Só para imitar beleza de imagens que nunca tive (momento doce nesta tempestade subterrânea) Agora...
Agora a infância já me fica tão distante
Mas mesmo assim, continuo a vestir o bibe das riscas azuis
Com que me vou enlamear no pântano mais próximo
Para saborear o medo e a inocência
De quem é condenado por julgar estrelas
As pedras humilhadas desta rua que outrora me pertenceu Construo cidades de água e jardins transparentes
Onde planto flores de sono, que amo e possuo
Num acto único de metamorfose selvagem E finjo
E finjo a coragem que não tenho
No retrato mentiroso da moldura onde me exibem
Com o sorriso irónico da punhalada traiçoeira (Futuro génio da família… dizem eles) Promoção gratuita na condição de nunca ser eu
Mas sim, o cadáver ambulante da sua vontade Querem-me vestido de carne à sua semelhança!
Na…