Avançar para o conteúdo principal

Eu, médica?

Principalmente nos países mais desenvolvidos e já começa a ser frequente em Portugal, os indivíduos vão consultar um especialista que eu indiquei e depois vêm perguntar-me se está certo o que ele fez. Mas eu indiquei-lho, não o posso pôr em causa!, mas querem a minha opinião, porque no subconsciente e inconsciente colectivo começa hoje a ter importância que haja alguém que precisa de nos conhecer para nos poder atender direito. E esse alguém não é o médico que num quarto de hora viu a pessoa, que normalmente até nem falou com ela, foi o aparelho que lhe deu os dados, reduz a pessoa a uns números e a pessoa sai dali desconfiada: "Este homem sabe muita coisa mas não tem nada a ver comigo, eu tenho outros problemas."
(...) Havia na minha casa em Trás-os-Montes uma sala de visitas, que era uma coisa terrível, que estava sempre fechada, onde nós não podíamos entrar e que tinha uma cadeira que era do Senhor Doutor, onde ninguém se sentava excepto o Dr. Madeira Pinto, que já era desactualizado para o seu tempo mas que era extremamente útil. Às vezes eu digo isso lá em Vila Real aos médicos: vocês são sábios mas são menos úteis que o Dr. Madeira Pinto porque era ignorante mas era extremamente útil, porque tinha senso comum, um grande interesse pelos doentes e um conhecimento exacto das situações e mesmo sabendo pouco, sabia que sabia pouco e então dava conselhos às pessoas...vocês sabem muito, mas não sabem utilizar o que sabem, estão desinteressados, ansiosos por acabar as coisas, parece que o doente não vos justifica, mas vocês só são médicos porque há doentes...

Entrevista ao Prof. Doutor Nuno Grande
In: Constança Paúl, Psicossociologia da Saúde (p.39)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Oh Senhor

Ó Senhor, que difícil é falar quando choramos, quando a alma não tem força, quando não podemos ver a beleza que tu entregas em cada amanhecer.
Ó Senhor, dá-me forças para poder encontrar-te e ver-te em cada gesto, em cada coisa desta terra que Tu desenhaste só para mim.
Ó Senhor, sim, eu seu preciso da tua mão, do abraço deste amigo que não está. Dá-me luz, à minha alma tão cansada, que num sonho queria acordar.
Ó Senhor, hoje quero entregar-te o meu canto com a música que sinto. Eu queria transmitir através destas palavras. Fico mais perto de ti.

Máscaras D’Orfeu

Finjo Finjo tanto
Que até a pensar finjo que penso Finjo tanto, que fujo em cavalos de fumo
Num galope de gazela de vento, com olhos de lua
E lágrimas húmidas de mundos tristes
Só para imitar beleza de imagens que nunca tive (momento doce nesta tempestade subterrânea) Agora...
Agora a infância já me fica tão distante
Mas mesmo assim, continuo a vestir o bibe das riscas azuis
Com que me vou enlamear no pântano mais próximo
Para saborear o medo e a inocência
De quem é condenado por julgar estrelas
As pedras humilhadas desta rua que outrora me pertenceu Construo cidades de água e jardins transparentes
Onde planto flores de sono, que amo e possuo
Num acto único de metamorfose selvagem E finjo
E finjo a coragem que não tenho
No retrato mentiroso da moldura onde me exibem
Com o sorriso irónico da punhalada traiçoeira (Futuro génio da família… dizem eles) Promoção gratuita na condição de nunca ser eu
Mas sim, o cadáver ambulante da sua vontade Querem-me vestido de carne à sua semelhança!
Na…